Como que a Inovação Aberta está mudando a forma das empresas inovarem

Engraçado que o termo Inovação Aberta ou Open Innovation não é novo, mas ainda vejo muita interrogação quando se fala desse assunto e tenta-se se relacionar com a prática diária pela busca da inovação. Há empresas com programas bem estruturados de inovação aberta, há outras com ações pontuais e ainda tem aquele que nem sabe o que é. Então, resolvi escrever um pouco sobre isso: porque a Inovação Aberta é a maneira que as empresas estão utilizando para inovar hoje no Brasil.

Conceito de inovação aberta

O termo Inovação Aberta foi descrito por Henry Chesbrough no início dos anos 2000. Nossa, mas só agora estamos trabalhando com Inovação Aberta no Brasil? Sim, a gente demora um pouquinho, mas o importante é que alguém deu o primeiro passo e agora esse é um caminho sem volta.

Inovação Aberta “é o paradigma que supõe que as empresas podem e devem usar ideias externas da mesma forma que usam ideias internas e caminhos internos e externos para o mercado”, como bem conceituou Henry Chesbrough.

Isso significa que a empresa não precisa inovar sozinha, mas que para inovar, ela precisa saber gerenciar e combinar o que é interno e externo para a promoção da inovação.

Parcerias para inovar

Assim, na Inovação Aberta é preciso entender que precisamos de parceiros. E você pode me perguntar, mas Tati, parcerias para inovação são feitas há anos, não são? Sim, são sim, mas na modalidade de Inovação Aberta a perspectiva é mais ampla e considera não só as parcerias, mas como se gerenciam essas parcerias.

Então, a grande diferença da Inovação Aberta é que ela considera a gestão da inovação como um elemento fundamental, ou seja, não basta fazer a parceria, é preciso entender como essa parceria pode gerar resultado e, ao mesmo tempo, como uma única empresa pode gerenciar várias parcerias.

Uma empresa interessada em inovação aberta não faz apenas parcerias com institutos de pesquisas, mas também com startups, com consultores de áreas transversais e com inventores independentes. A ideia pode vir de dentro da empresa, de fora da empresa ou construída em conjunto. Não importa, o único objetivo em comum é promover a inovação.

Casos de inovação Aberta no Brasil

Muitas empresas brasileiras, principalmente, as de maior porte possuem programas de inovação aberta. Vou colocar alguns exemplos para vocês conhecerem:

  • Telefônica – possui o Telefônica Open Future, que conta com vários agentes entre eles a aceleradora Wayra e o banco Amérigo.
  • Natura – possui várias iniciativas de inovação aberta, entre elas, o programa Natura Campus. A iniciativa abre problemas da empresa para que possam ser selecionados instituições de pesquisas, startups e inventores independentes.
  • Brasken – uma das principais empresas na área de polímero do país também desenvolve iniciativas de inovação aberta. Entre elas, está o Brasken Challenge que tem como proposta fomentar ações em parceria com startups.

Não vou avançar muito nos exemplos, pois daria para ficar uma semana colocando as iniciativas aqui. O que quero ressaltar é que não tem como querer inovar sem entender a perspectiva da inovação aberta e o que ela pode gerar de resultados e o que deve gerar de cuidados.

Muitas empresas já viram esse caminho e estão vencendo a perspectiva da gestão da inovação. Para quem está começando, minha dica é entender a inovação aberta e depois traçar as ferramentas de atuação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s